domingo, 3 de abril de 2011

Crônica da Semana

O ‘RACHA’ DO CLUBE DOS 13

por Jackson Fernando Mosko
Pesquisador e colaborador do Núcleo de Estudos Futebol e Sociedade UFPR



A disputa pelos direitos de transmissão dos jogos do campeonato brasileiro dos anos 2012/13 e 14 movimentou os bastidores do futebol brasileiro nos últimos meses. Mas será mesmo que todo este movimento é somente por causa da disputa pelos direitos televisivos e interesses econômicos? Venho acompanhando pelos jornais, programas de TV, entrevistas e documentos disponibilizados na internet, este imbróglio no Clube dos 13, e afirmo, o que não é novidade para aqueles que acompanham o futebol também no seu âmbito político, que a briga pelos direitos de TV foi o estopim ou se preferirem, o motivo para o ‘racha’ no Clube dos Treze, e não simplesmente o fato para que isto ocorresse.

Fatos como: estádio onde será a abertura da Copa de 2014; eleição do Clube dos 13; entrega da “Taça das Bolinhas”; reconhecimento dado pela CBF a clubes que foram campeões no passado antes do surgimento do campeonato brasileiro; relação entre Globo, CBF, e Clube dos 13, já vinha estremecendo a relação entre os clubes integrantes dos C13 (Clube dos 13).

Apesar de reconhecer que todos estes fatos são relevantes para o racha no C13, vou tentar apresentar o fato do ‘racha’, onde vários clubes comunicaram que estavam saindo do C13 e que iriam negociar seus direitos de TV por conta própria.

Esta disputa foi iniciada ainda no ano passado, quando alguns jornais publicaram que o Ministério Público acusou a Rede Globo e o Clube dos 13 por formar cartel no contrato dos direitos de transmissão do Brasileirão. Esta posição foi expressa em parecer ao Cade (Conselho de Administração e Direito Econômico) onde há processo contra a emissora e a entidade pelo acordo de 2006 a 2008. Isto, devido a Globo ter em contrato com o C13, uma cláusula que lhe permitia ‘cobrir’ a oferta de qualquer outra emissora pelos direitos de transmissão do Brasileirão, ou seja, uma preferência na negociação. Se houvesse condenação, as duas poderiam ser multadas e ter de rever cláusulas nos futuros acordos . Mas, pouco mais de um mês depois, uma nova notícia informava que a Rede Globo abria mão do direito de preferência para transmitir o campeonato brasileiro e o Cade suspenderia o processo contra a emissora , esta notícia foi publicada no site da Folha.com (http://www.folha.uol.com.br/), mas também noticiada pelo jornal O Globo on line (http://oglobo.globo.com/), no mesmo dia, mas com o seguinte título: “Jogos na TV terão leilão: Cade determina fim de exclusividade” . Cito estes dois periódicos, devido à diferença que estes tratam deste assunto . Com estas notícias, acreditava-se que neste ano teríamos realmente uma licitação para a compra dos direitos de TV referentes aos anos de 2012/13 e 14, onde participariam as principais emissoras do país, porém antes da licitação ocorrer, o Corinthians anunciou que estava saindo do C13, e que iria negociar sozinho as suas cotas de TV, logo após este anúncio saíram também do C13: Botafogo, Flamengo, Fluminense, Vasco, Grêmio, Goiás, Cruzeiro, Coritiba, Vitória, Sport, Santos e Bahia, destes 12 clubes, 10 já acertaram com a Rede Globo.

Porém, apesar do acerto com estes clubes, toda esta situação ainda está indefinida, isto porque, na licitação realizada pelo Clube dos 13, a emissora Rede TV, venceu a licitação e de acordo com o C13 deverá transmitir os jogos, porém com o ‘racha’, esta situação ainda dará muito assunto nos próximos meses.

Enfim, toda esta situação envolvendo o ‘racha’ do C13, foi uma somatória de interesses, onde o interesse econômico muitas vezes foi a explicação para o ‘racha’ e não o motivo. Sabemos que no futebol, em especial o Brasileiro a disputa política nos bastidores é muito forte, e os interesses individuais quase sempre preponderaram no futebol nacional, talvez por isso o Clube dos 13 esteja em eminência de acabar, ou já acabou como consideram alguns. Pois o interesse individual foi colocado acima do interesse da entidade como um todo, que em sua proposta inicial era do fortalecimento do Futebol Brasileiro.

Espero que estas breves considerações possam iniciar um debate com os colegas e amantes do futebol, pois é este debate que nos enriquece e proporciona a nossa evolução pessoal e acadêmica.

Um comentário:

  1. André Alexandre Guimarães Couto4 de abril de 2011 09:52

    Caro Jackson:

    Parabéns pelo post. Concordo com você. Os interesses individuais de cada clube, na maioria das vezes, se sobrepuseram ao interesse coletivo. Mas, o que esperar de um conjunto de clubes que se reuniram no passado para ter um espaço de distinção em relação aos demais? O Clube dos 13 já nascera com uma proposta de separação. O que talvez não se considerasse era que a "cola" que os reunia era de pó.

    Quanto à monopolização da Rede Globo, está mais do que na hora de termos uma intervenção do Estado (via Cade ou de quem quer que seja), para defender o direito do consumidor de TV aberta assistir partidas de futebol em sua emissora preferida. Não tenho dúvida que a qualidade e a diversidade das transmissões melhorarão bastante.

    Um abraço,

    André Alexandre Guimarães Couto

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário aqui.